O ALEIJÃO

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Perguntam-me por email (recebi nada menos do que 639 emails ontem, sem dúvida um record) e por telefone, insistentemente, porque falei que não assinaria o acordo, que representou, afinal, o nascimento da criança (distribuição do superavit) por que tanto lutei, com expectativa de recebimento de valores (retroativos ou adiantados) ainda em dezembro de 2010.

A resposta é antecipada, antes da deccisão do conselho deliberativo ser anunciada, neste exato momento os conselheiros estão almoçando na OREVI, porque vou ter que sair para participar de audiencias no Foro e só retorno à tardinha para em seguida partir para novo compromisso.

O que não saiu no pacote e que eu considerava indispensável, pelo qual estou lutando junto aos conselheiros para que consertem, mas não sei se terei sucesso, é o seguinte:

1. Deveria ter vindo 20% com incidencia sobre o benefício total recebido, incluido aí o INSS, no mínimo. 20% sobre proventos totais.

2. Caso inviável ou inaceitável pelo BB, 25% deveria ser o índice. E uma solução para os que recebem uma parcela maior de INSS deveria ser cogitada.

3. Suspensão das contribuições por tres anos. Isso saiu.

4. Retroatividade a janeiro de 2010, com certeza, e recebimento dessa parcela no dia 20 de dezembro deste ano.

5. Comprometimento seguro de que em 2011, até junho, haverá a decisão de aumentar o percentual das pensionistas de 60 para 80%. Não apenas intenção, mas obrigação assumida.

6. Comprometimento seguro da concessão dos 360/360, até junho de 2011, não apenas intenção.

7. Manifestação expressa de que as entidades ressalvam que não reconhecem como válida juridicamente a resolução 26.

Claro que existem inúmeras outras reivindicações, entre as quais a cesta alimentação e  a isonomia da renda certa, mas é preciso ter um foco, e o meu estava nessas acima masnifestadas, como condições mínimas e aceitáveis.

Sem que elas fossem contempladas é que achei que infelizmente a MONTANHA PARIU UM RATO e A CRIANÇA NASCEU ALEIJADA. E O ACORDO FAJUTO.

Além disso, aguardava que a contabilização da parte que coubesse ao Banco não fosse imediata, mas progressiva, na mesma medida e proporção que nos pagassem os 20%, e, finalmente, que a redação do acordo fosse mais clara e transparente.

Podemos, como bem disse, um colega até criar essa criança, mas quem sabe os conselheiros alertados consigam ler este blog e fazer as cirurgias necessárias para a melhoria da saúde da criança ?  OXALÁ !

DELENDA CARTHAGO - SUPERAVIT JÁ

16 comentários:

Anônimo disse...

Caro Medeiros, ontem, sem te consultar previamente - e deveria ter feito - enviei parte do seu comentário aqui publicado para a presidência da ANABB e PREVI. Não sei se agi mal, mas foi uma atitude de momento. Oxalá todos leiam o texto que enviei. Abraço, Anderson

Anônimo disse...

Dr Medeiros,
Pensei que outro item que ganharia força na proposta fosse a cesta alimentação, uma vez que mt gente ja está recebendo.
Abçs

medeiros disse...

Sim, eu também pensei em cesta alimentação e no renda certa, certamente. Mas essas questões necessitam de um parecer e um envolvimento da área jurídica do BB e seriam mais difíceis de conseguir agora. Essas poderiam ficar para um protocolo de INTENÇÕES.

Anônimo disse...

DR.MEDEIROS

Porque a PREVI (Conselho Deliberativo) gosta de ficar mal vista pelo associados, o que ganha com isso? Nossa ódio? Isso é bom?
Estranho, né?

Melhorem a proposta o máximo que puderem,chega de agirem com tanta mesquinhez, nós queremos o máximo agora se a reserva vai durar ou não para os 6 anos pouco importa,outros superávits virão, temos que equilibrar nossas vidas enquanto estamos vivos, muitos nós morreram nesses 6 anos, então porque não incluir alguns outros benecífios que são certos de ganharmos na justiça e só causa desgaste e revolta para os aposentados e despesas para a Previ.

Incluão o INSS no valor a incidir os 20%,isso é a maior prioridade neste momento, paguem retroativo à janeiro de 2010 o superávit é de 2009, como fica o ano de 2010 se voces dizem estar pagando antecipado. Antecipado é o valor a ser pago em 2011 aí já deve-se considerar o valor do beneficio com o aumento de 20%, e como são por 6 anos, quer dizer que sempre estamos recebendo antecipado,porque senão havaria uma lacuna de 12 meses sem aumento para frente a primeira parcela.

José Dante disse...

Doutor Medeiros.
Afinal, porque a insistência quando a “Deveria ter vindo 20% com incidência sobre o benefício total recebido, incluído aí o INSS” – INSS é INSS, Previ é Previ, e INSS não gera superávit. Não há justificativa pra se falar em 20% também sobre INSS. Outra coisa é tentar buscar auxilio alimentação. Ora, Auxilio Alimentação faz parte do Programa de Alimentação do Trabalhador custeado pelo FAT e é pago para quem trabalha... Aposentado não é mais trabalhador e quem não trabalha não tem direito. 360/360 significa fazer revisão de plano e isso terá mesmo de esperar o ano que vem... Muito esquisito o doutor, advogado, pleitear o que não é de direito.
José Dante de Oliveira

MEDEIROS disse...

Jose Dante de Oliveira,

Respeito a opinião contrária, mas não abro mão do meu entendimento, data venia. Acho possível juridicamente, sim, e nesse pensamento sou apoiado por vários juristas de renome, que, caso não se viabilizem essas propostas, ajudarão no ingresso de ações, entre eles um ex-ministro do STF, meu amigo. Não faço defesas contra o Direito, mas a hermetêutica é abrangente e acho que a razão está do meu lado, portanto respeite também a minha opinião e não me considere leviano, por favor.

Anônimo disse...

José Dante

Desculpe-me: Por quê você não quer que os 20% incida também sôbre o INSS? Se alguem quer lhe dar R$10,00 o que você teria contra de passar êste valor para R$20,00. Ora você está ganhando e ainda assim acha ruim aumentar o ganho. Sinceramente, acho que um de nós dois é burro. No caso, acho que é você. Desculpe-me a franqueza!!!!!!!!

Terex disse...

Medeiros,

Veja a armadilha que estão armando para cima dos participantes da Previ ao nos conceder esse mu-mu(lembra-se desse doce de leite?),aproveitando-se das penúrias por que passam os benefiários/aposentados (alguns é claro, outros nem tanto, aqueles em grande maioria),com a conivencia dessas entidades representativas dos funcionários e aposentados do Banco, aí incluídas associações de aposentados e a Anabb, ao aceitar essa negociação sob o argumento na demora das ações judiciais e com isso querem nos fazer engolir, a seco e sem minima lubrificação para uma deglutição palatável, esse acordo espúrio. Vamos à proposta:

- Criação do Beneficio Especial Temporário (cujo nome dispensa apresentações) correspondente a percentual de 20% incidente sobre o valor do complemento Previ ou da Renda Mensal Vitalicia para os assistidos, que será pago;

- a primeira englobando 12 meses referentes ao ano de 2010:

- as demais, veja que graça, mensalmente ou enquanto durar o estoque, pois estará condicionada à existencia de saldo disponivel no fundo previdenciário específico;

- ao Banco o correspondente a 50% do superavit, numa única parcela já devidamente apropriada em seus balanços turbinando seus resultados.

Foi somente essa proposta que foi colocada em pauta e aprovada pelos "nossos representantes" as demais, não passam de um termo de compromisso assinado com os representantes do governo que, em se tratando de política, é duvidosa a continuação das negociações.

Observe que o prazo de pagamento mencionado e estimado em 6 anos é uma falácia pois está condicionado ao saldo disponivel no fundo previdencário!

Ainda querem que avalisemos esse assalto como mencionado no último parágrafo da msg de Isa Musa, abaixo transcrito.

"Hoje mesmo, dia 25, a diretoria e conselhos da Previ se reuniram para estudar os termos e aprovar na diretoria e conselhos. Depois, serão postos a votação, provavelmente de 9 a 15 de dezembro. Se os colegas do Plano 1 aprovarem, já em dezembro serão pagos esses benefícios, sendo que as primeiras 12 parcelas, ou seja, 240% será pagos de uma só vez."

240% (sic)? onde encontraram esse número? Não venham me dizer que se trata de 12 meses x 20%! Pois no texto fica subentendido que se trata de 240% sobre os benefícios, uma pequena arapuca para os incautos.

Melhor seria que os nossos representantes lutassem por uma melhoria de 8% a 10%, nos benefícios totais, aí incluidos o complemento da PREVI mais INSS ou, para não prejudicar aqueles que recebem o benefício minimo, Parcela Previ, que no longo prazo seria mais benéfico e daria mais segurança aos participantes.

Sugiro, na pior das hipoteses e se o estupro for invitável que:

- esse percentual seja pago numa única parcela a todos os beneficiários e não diferido em prestações mensais, limitado ao saldo existente no fundo previdenciário;

- o Banco recebesse a sua parte nas mesmas condições sugeridas aos beneficiários, não é justo que receba a vista e nós em migalhas mensais.

abraços


PS. se possivel, retransmita essa msg à FAABB.

Terex disse...

Medeiros,

Veja a armadilha que estão armando para cima dos participantes da Previ ao nos conceder esse mu-mu(lembra-se desse doce de leite?),aproveitando-se das penúrias por que passam os benefiários/aposentados (alguns é claro, outros nem tanto, aqueles em grande maioria),com a conivencia dessas entidades representativas dos funcionários e aposentados do Banco, aí incluídas associações de aposentados e a Anabb, ao aceitar essa negociação sob o argumento na demora das ações judiciais e com isso querem nos fazer engolir, a seco e sem minima lubrificação para uma deglutição palatável, esse acordo espúrio. Vamos à proposta:

- Criação do Beneficio Especial Temporário (cujo nome dispensa apresentações) correspondente a percentual de 20% incidente sobre o valor do complemento Previ ou da Renda Mensal Vitalicia para os assistidos, que será pago;

- a primeira englobando 12 meses referentes ao ano de 2010:

- as demais, veja que graça, mensalmente ou enquanto durar o estoque, pois estará condicionada à existencia de saldo disponivel no fundo previdenciário específico;

- ao Banco o correspondente a 50% do superavit, numa única parcela já devidamente apropriada em seus balanços turbinando seus resultados.

Foi somente essa proposta que foi colocada em pauta e aprovada pelos "nossos representantes" as demais, não passam de um termo de compromisso assinado com os representantes do governo que, em se tratando de política, é duvidosa a continuação das negociações.

Observe que o prazo de pagamento mencionado e estimado em 6 anos é uma falácia pois está condicionado ao saldo disponivel no fundo previdencário!

Ainda querem que avalisemos esse assalto como mencionado no último parágrafo da msg de Isa Musa, abaixo transcrito.

"Hoje mesmo, dia 25, a diretoria e conselhos da Previ se reuniram para estudar os termos e aprovar na diretoria e conselhos. Depois, serão postos a votação, provavelmente de 9 a 15 de dezembro. Se os colegas do Plano 1 aprovarem, já em dezembro serão pagos esses benefícios, sendo que as primeiras 12 parcelas, ou seja, 240% será pagos de uma só vez."

240% (sic)? onde encontraram esse número? Não venham me dizer que se trata de 12 meses x 20%! Pois no texto fica subentendido que se trata de 240% sobre os benefícios, uma pequena arapuca para os incautos.

Melhor seria que os nossos representantes lutassem por uma melhoria de 8% a 10%, nos benefícios totais, aí incluidos o complemento da PREVI mais INSS ou, para não prejudicar aqueles que recebem o benefício minimo, Parcela Previ, que no longo prazo seria mais benéfico e daria mais segurança aos participantes.

Sugiro, na pior das hipoteses e se o estupro for invitável que:

- esse percentual seja pago numa única parcela a todos os beneficiários e não diferido em prestações mensais, limitado ao saldo existente no fundo previdenciário;

- o Banco recebesse a sua parte nas mesmas condições sugeridas aos beneficiários, não é justo que receba a vista e nós em migalhas mensais.

abraços


PS. se possivel, retransmita essa msg à FAABB.

Carlos Mariano disse...

Li no site da FAABB:
Ficou acertada a incorporação dos benefícios especiais de remuneração e de proporcionalidade implantados em 2007 como benefícios permanentes.
Pergunto porque não podemos os 360/360 já que - não sei quem - quer validar o RENDA CERTA e, do mesmo jeito que o criaram, pondo mel por cima.
Isso, que com certeza virá para aprovação - e será aprovado, não tenham duvida - pois até eu quero o dim dim enquanto sou vivo.
Mas corresponde a uma ação que eles estão afirmando não ser possível quando é para atender nossas pretensões.

Anônimo disse...

Notícia importante no site da FAABB. A expectativa é de que como a negociação recebeu a tácita aprovação dos Ministros da Fazenda, Planejamento, CEST e Previc, o pagamento da primeira parcela equivalente a 12 vezes o valor mensal de cada assistido seja paga ainda neste mês de dezembro.

Anônimo disse...

Medeiros, luta para que o passarinho 20% seja pago junto com a fopag de dezembro.

Anônimo disse...

Ao colega José Dantas e àqueles que não entendem a razão de incidência sobre a parcela INSS

O PB-1 teve vários regulamentos por todas as suas décadas de existência e regras de cálculo de Salário Real de Benefício muito diferentes separadas por realidades e (más) intenções do patrocinador muito distintas entre si. Afora os casos de invalidez e pensionistas.

Daí que a proporção entre as parcelas PREVI+INSS varia muito entre colegas aposentados há muito tempo e os que se aposentaram após 98.

Existem aposentados com parcela PREVI inferior à do INSS, inclusive inferiores a 1/4 dessa em alguns casos de invalidez.

Para amenizar tal situação é que se saíram com um benefício mínimo maior. Mas a fórmula apresentada é "perneta" e produz distorções, como se pode aferir fazendo simples simulações. Parece que ela foi feita às pressas para salvar em parte um acordo desastrado.

A aplicação do índice sobre PREVI+INSS seria muito mais inteligente na correção das distorções e sem efeitos colaterais.

Sou o Washington Lopes.

acf disse...

REALMENTE, não entendí e não entendo esta do Sr. Jose Dante. Deve estar recebendo rios de dinheiro para não querer o reajuste de 20% sobre a parte do INSS e a cesta alimentação, que como eu ví e o Sr. Medeiros falou, diversas pessoas já ganharam na justiça este direito. Como disse um anônimo lá em cima: será que somos burros de querermos isso???? ALIAS, acho que tem ANONIMO DEMAIS por aqui, dizendo o que deve e o que não se deve, se escondendo atrás do ANONIMATO. TODOS TEMOS NOME, NAO???????

Anônimo disse...

JOSÉ DANTE,

PERMITA LHE SER SINCERO; SE VOCÊ ACHA QUE NÃO É CORRETO PLEITEARMOS OS 20% TAMBÉM SOBRE O BENEFÍCIO DO INSS. ENTÃO TALVEZ SEJA PORQUE VOCÊ JÁ GANHA MUITO E NÃO PRECISA MAIS DESSA AJUDA. TUDO QUE FOR POSSÍVEL TEMOS QUE CORRER ATRÁS. SUGIRO QUE FAÇAS O SEGUINTE: QUANDO FORMOS PRÁ JUSTIÇA BUSCANDO O DIREITO DE TAMBÉM RECEBERMOS SOBRE O INSS E GANHARMOS, QUE VOCÊ SEJA BONZINHO E DOE TUDO QUE RECEBER PARA UMA INSTITUIÇÃO DE CARIDADE. OS BENEFICIADOS MAIS NECESSITADOS AGRADECERÃO. E, SÓ ASSIM PODERÁ PROVAR QUE O BURRO NÃO É VOCÊ OK?

Ao José Dante :, disse...

Para ser bom ao JOSÉ DANTE(das Oliveiras),doravante seu desconto do Imposto de Renda (27,5%) será revertido em crédito em sua FOPAG, ao invés de débito ! Gostou José ?
Quer receber da CASSI, também ?

Ora voce é muito guloso!!!